in

Jornalista afirma que Jorge Jesus fez “parecer que a diretoria do Flamengo entendia de futebol”

Foto: Alexandre Vidal / CRF

A passagem de Jorge Jesus pelo Flamengo entre 2019 e 2020 foi histórica. Com cinco títulos conquistados e apenas quatro derrotas, o time apresentava um futebol vistoso, que chegou a chamar a atenção na final do Mundial de Clubes contra o Liverpool. No entanto, a centralização de vários setores do futebol rubro-negro pela equipe do Mister parece ter feito a diferença. É isso que afirmou o jornalista Bruno Formiga no programa “De Placa”.

“Fica claro pra mim que a cultura do Flamengo hoje é zoneada e vai minar várias estratégias diferentes, Domenec tinha um perfil, o Rogério Ceni tinha um perfil, o Renato Gaúcho tinha perfil completamente diferente que teoricamente seria o mais alinhado com a direção e o Paulo é outra questão”, disse Bruno Formiga.

“Volto a dizer a frase que já disse algumas vezes, o Jorge Jesus fez parecer que essa diretoria entendia de futebol e era competente, o Jesus se impôs e fez as coisas da sua maneira. A diretoria do Flamengo naquela altura permitiu, mas depois dos títulos quando os dirigentes viraram estrelas, começara a dar entrevistas, desfilar em carro aberto. Talvez hoje nem o próprio Jesus conseguiria ter o monopólio do vestiário porque os dirigentes não vão querer ser marionetes de treinadores, porque viraram grife”, que ainda complementou:

“Essa diretoria entregou em parte o que prometeu, porque disseram que iriam transformar a administração de um banco em troféus, e realmente entregou vários troféus. Só que quem abriu esse caminho foi o Jorge Jesus, acho que sem o Jesus isso não iria acontecer, porque o plano de governo da diretoria era com o Abel Braga, não tinha perfil de estrangeiro”, concluiu.

Ídolo do Flamengo aponta os principais erros de Paulo Sousa

Flamengo tem adversário definido nas oitavas da Copa do Brasil