in

Milan quer comprar joia da base que custa R$ 300 milhões

Marcelo Cortes / Flamengo
Marcelo Cortes / Flamengo

O Flamengo teve que refazer todo o planejamento da temporada devido as eliminações precoces na Copa do Brasil e na Libertadores da América. Com o ano muito atípico devido a pandemia do novo coronavírus, as contas sofreram alterações, e o impacto nos cofres rubro-negros tiveram de ser amenizados.

Mas uma coisa parece não mudar. O assédio de clubes europeus em jovens oriundos das categorias de base do clube. Jogadores como Vinicius Júnior, Lucas Paquetá e Jean Lucas se destacaram com o Manto Sagrado e foram vendidos por cifras astronômicas para clubes do Velho Continente, dando ao clube carioca formar o elenco que fez história em 2019.

O garoto prodígio da vez é o meio campo Fabrício Yan, de apenas 16 anos. O jovem que assinou um novo contrato com o clube carioca, que vai até o final de 2023, com a multa rescisória em mais de R$ 300 milhões, que em tese protege o clube contra o assédio europeu.

“É uma sensação indescritível. Estou realizando o meu sonho de criança e vendo a minha dedicação se transformar em conquista. O Flamengo é a minha casa e sou muito grato por todo o apoio que sempre recebi do clube. É um momento único! Tenho certeza de que o melhor ainda está por vir”, disse o jogador.

Segundo a informação da reportagem do site Bolavip Brasil, o Milan, com uma boa relação pelas negociações de Léo Duarte e Lucas Paquetá já busca informações sobre o jovem garoto do Ninho.

Isla afirma estar ansioso para jogar com a presença da torcida

Flamengo fecha acordo com mais duas famílias de vítimas do incêndio do CT